icone transparencia cosems     icone politicas publicas     icone transparencia minas     icone projeto conasems
         

Vigilância em Saúde de Coronel Fabriciano divulga balanço das ações executadas em 2018

on 17 Dezembro, 2018

A Prefeitura de Coronel Fabriciano, por meio da Secretaria de Governança da Saúde, divulgou um balanço sobre as ações executadas na Vigilância em Saúde e no setor de Zoonoses e Endemias, em 2018. O ano foi marcado por várias ações que visaram o combate as arboviroses, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.
Entre as ações desenvolvidas estão a realização de três mutirões de limpeza nos bairros com maior infestação de acordo com os Levantamentos de Índices Rápidos do Aedes aegypti (LIRAa) de 2018; atividades educativas, sendo 121 palestras atingindo um público de cerca de 9.500 pessoas; 142 atendimentos a denúncias; 613 inquéritos caninos; seis mobilizações sociais e quatro capacitações de Agentes Comunitários de Endemias (ACE’s); retirada de inservíveis em residências de acumuladores e em potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti; bloqueio de transmissão em Universidades, cemitérios e residências com a utilização de UBV costal; reuniões com Associações de Bairros e com o Conselho Municipal de Saúde; limpeza de ribeirões; limpeza e fechamento adequado de caixas d’água; reuniões do Comitê Inter setorial de Combate as Arboviroses (CICA); educação continuada para médicos e enfermeiros; palestras com a equipe de Educação em Saúde do Setor de Endemias nas escolas; oito blitz e tendas educativas; entre outros.

coreu11

Além das ações, a Secretaria de Governança da Saúde também desenvolveu parcerias com a Secretaria de Governança Educacional com o projeto “Formando Cidadãos do Futuro”, que tem como objetivo capacitar os educadores para atuarem em salas de aula ensinando sobre sustentabilidade, conservação do meio ambiente, uso correto dos resíduos, energia e água. Dessa forma, os alunos levarão conceitos para as famílias fazendo com que o projeto seja um programa educacional para toda a população.
Para a Gerente de Vigilância em Saúde, Vânia Tavares, o ano foi marcado por muito esforço e dedicação das equipes de endemias. “Obtemos grandes resultados ao longo de 2018. Tivemos altos índices de infestações do Aedes aegypti, mas devido às inúmeras ações realizadas, mantivemos o município em controle e agora o objetivo é programar novas ações para 2019”, afirmou.

Entre as ações, Vânia cita a criação do “Mexa-se contra o mosquito”, gincana prevista para fevereiro de 2019 e que será realizada por alunos do Programa Mexa-se. “Por enquanto estamos alinhando os detalhes dessa gincana, mas podemos dizer que será uma grande ação para eliminar e incentivar o combate ao Aedes aegypti no município”, concluiu.

Dengue, Zika e Chikungunya

Em 2018, até a 47ª semana, Coronel Fabriciano registrou 2.909 casos confirmados de Dengue e um óbito; 5.148 casos confirmados de Chikungunya e um óbito, e 16 casos confirmados de Zika.

LIRAa

O levantamento é realizado três vezes por ano. Em Janeiro de 2018, Coronel Fabriciano apresentou 2.5%. Em função do número de casos de arboviroses (doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e outros mosquitos) registrados em 2017, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) determinou a realização de quatro LIRAas em 2018. Além de janeiro, o levantamento foi feito em abril, os índices chegaram a 4,1% , em setembro, os índices caíram para 1,1% e em novembro, onde foi registrado 3,3%.
Plano de Contingência de Doenças Transmitidas pelo Aedes Aegypti
A equipe de Vigilância em Saúde também desenvolveu o Plano de Contingência que tem como objetivo reduzir a morbimortalidade por dengue, chikungunya e Zika, e o impacto das epidemias no município, além de estabelecer um planejamento prévio das ações de combate às arboviroses. O plano de contingência é dividido em quatro fases e todas possuem um conjunto de ações definidas de acordo com a situação do município:

Fase 0: Quando a taxa de incidência for de 100 casos notificados de 100 mil habitantes, sem registro de óbitos;

Fase 1: Quando a taxa de incidência for de até 300 casos notificados de 100 mil habitantes ou caso ocorra registro de óbito ou introdução/reintrodução de um novo sorotipo de dengue ou chikungunya acima de 50% das amostras em quatro semanas consecutivas.

Fase 2: Quando a taxa de incidência for de casos até 200 notificados de 100 mil habitantes ou aumento do número de solicitações para tratamento de arboviroses no limite da quantidade de leitos disponíveis na região.

Fase 3: Quando a taxa de incidência for de até 500 casos notificados de 100 mil habitantes ou o aumento no número de solicitações de internação para tratamento das arboviroses acima da quantidade de leitos disponíveis na região.

coreu

Fonte: Assessora de Comunicação da Prefeitura de Coronel Fabriciano