icone transparencia cosems     icone politicas publicas     icone transparencia minas
         

COSEMS/MG participa de reunião na ALMG para debater sobre falta de recursos no setor da saúde

on 10 Setembro, 2019

Por Ariane Fernandes

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS/MG), por meio de seus presidentes, diretoria executiva e secretários municipais de saúde, participaram na tarde desta segunda-feira (09/09), de uma reunião na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), para debater sobre a falta de recursos para a Atenção Primária, no Sistema Único de Saúde (SUS), no Estado e a fixação de limites para os restos a pagar no setor da saúde.

Dentre as autoridades presentes, estavam o Presidente da ALMG, Deputado Agostinho Patrus, o Presidente da Comissão de Saúde, Deputado Carlos Pimenta, a Presidente da Associação Médica de Minas Gerais, Maria Inês Miranda Lima, o Presidente do COSEMS/MG e Secretário Municipal de Saúde de Taiobeiras, Eduardo Luiz da Silva, o Vice-Presidente e Secretário Municipal de Saúde de Santana da Vargem, Hermógenes Vaneli, o 1° Tesoureiro e Secretário Municipal de Saúde de Engenheiro Caldas, Edson Alves de Oliveira, o Secretário Geral e Secretário Municipal de Saúde de Goianá, Lúcio Alvim, a Secretária Municipal de Saúde de Capinópolis, a 1ª Secretária do COSEMS/MG, Sandra Aparecida B. Fernandes e o Presidente Regional do COSEMS Belo Horizonte, Fabrício Henrique Simões.

IMG 7878IMG 7899

Durante a reunião foram tratados diversos temas com o objetivo de conseguir apoio para traçar ações efetivas dos representantes de autoridades da saúde no Estado, para conseguir atender de forma efetiva a população, melhorando a oferta nos serviços.

IMG 7924

O Presidente do COSEMS/MG Eduardo Luiz, destacou que mais de R$ 4 bilhões ficaram inscritos em restos a pagar na transição de 2018 para 2019, e mesmo com a crise financeira no governo do Estado, atualmente há o repasse de R$ 85 milhões para os municípios mineiros, mas os valores são insuficientes para cumprir todas as demandas e pactos com o setor da saúde. “É preciso valorizar a Atenção Primária, pois é a porta de entrada do SUS. Por não receber os recursos necessários há cerca de cinco anos, está aumentando significativamente o número de internações e até mesmo de mortes nos hospitais de Minas Gerais. É preciso executar de forma emergencial, o mínimo orçamentário para a área, com o intuito de desenvolver uma saúde pública de qualidade para os mineiros.” ressaltou.

IMG 7929

 

Confira as fotos na íntegra: https://drive.google.com/drive/folders/1qUOr2D5f9QI7HWl8TgVvI05LkaCJmo7z